Loading...
Conteúdo

Viagem ao mundo real – O que fazer quando o destino não é tão legal?

viagem real

Nem tudo são flores. Nem todos os destinos são incríveis e infelizmente (ou felizmente) nem todas as experiências são positivas e surpreendentes. Na real, que bom que é assim, imagina que chato seria a vida se t-u-d-o fosse perfeito?

Mas é muito comum encontrar por aí blogs de viagem onde tudo e todos os lugares são m-a-r-a-v-i-l-h-o-s-o-s!

Isso cansa. Um pouco de vida real não faz mal para ninguém!

Levei o tema: viagem ao mundo real, para o nosso grupo do Facebook (Faça parte do Grupo Hello Blogger) e rolou uma discussão tão legal que resolvi dividir aqui com vocês.

O que fazer quando uma viagem deu ruim?

Seu blog, sua opinião, suas experiências

Todo o grupo concordou que não existe bom ou ruim, afinal o que é bom para mim pode não ser para você. Existem percepções, histórias de vidas diferentes e experiências anteriores que podem fazer da sua percepção ser diferente da minha. Sendo assim não existe certo ou errado. Sem medo de ser feliz e de ser julgado o seu dever como blogueiro de viagem é trazer a sua percepção e deixar claro que essa é a sua opinião.

A Juliana, do blog Juny pelo Mundo fez isso lindamente em um texto que ela escreveu sobre Síndrome de Paris. Ainda no mesmo blog, o Léo, marido da Juliana, conseguiu enxergar uma Paris Romântica, e escreveu sobre isso. Ou seja, é tudo uma questão de ponto de vista.

Não tente polemizar, tudo tem a maneira certa de falar

Barraco e polêmicas nem sempre dão certo. Se o seu blog é o seu negócio, que tal agir profissionalmente? Existem inúmeras maneiras de abordar uma experiência negativa e as palavras utilizadas neste tipo de post devem ser pensadas muito mais do que as palavras utilizadas em posts que falamos sobre coisas boas.

Não se esqueça que os parceiros estão de olho no seu negócio e tenho certeza que nenhuma marca gostaria de se juntar com pessoas barraqueiras e polêmicas. Um texto, com conotação negativa em um tom pesado, pode ser fator decisivo para a marca pular fora dessa parceria.

Esteja ciente de qual é o seu nicho de mercado

Todo blogueiro tem um estilo de viagem, precisamos tomar cuidado quando por algum motivo saímos deste estilo, vivenciamos uma experiência nova e tentamos opinar sem ter vivenciado experiências semelhantes anteriormente.

Se estou acostumada a ficar em resorts e por algum motivo em uma determinada viagem em fiquei em um hostel, eu não posso sair falando mal daquela experiência. Tenho que ter em mente: qual é a minha base de comparação para falar sobre determinado lugar? Posso estar julgando muito erroneamente um lugar por nunca ter vivido experiências daquele tipo.

Nunca perca as suas referências e tenha consciência sobre qual é o seu estilo de viagem, o seu nicho de mercado! Se aquela experiência lhe ocorreu pela primeira vez, mencione isso no post. 😉

Cuidado para não ofender uma cultura

Eu sei que o blog é seu, a opinião é a sua e a experiência também. Já falamos sobre o cuidado com as palavras e aqui volto a reforçar a ideia de que as palavras tem poder. Uma experiência ruim é só uma questão de percepção e não esqueça de colocar na balança se o que te ocorreu não faz parte da cultura local.

Sair por aí dizendo que a cidade é suja e fedida sem pensar se isso é mais uma questão de falta de estrutura ou realmente mau uso dos locais e/ou turistas?

Cada destino tem uma história, procure se informar melhor antes de criticar.

Embase muito bem os seus motivos

Já ficou muito claro que você como blogueiro deve ser transparente com o seu público. Falar bem é fácil, mas como desenrolar essa história da experiência negativa?

Se você já entendeu que as palavras tem poder que tal abordar minuciosamente os motivos que te levaram a se frustrar com essa experiência?

Eu posso não ter gostado de um determinado museu pelo motivo de ser um museu de arte moderna e eu não saber apreciar esse tipo de obra de arte. Você como um amante de arte moderna pode pensar: olha que bacana, adoro arte moderna, acho que vou arriscar.

Eu posso não ter gostado de um hotel x por que o café da manhã tinha apenas três opções de suco, um tipo de bolo e pão de forma, mas a cama era boa, ambiente é limpo e a localização ótima. Você ao ler, pode pensar: Ok, nem tomo café da manhã no hotel, esse me parece uma boa opção.

Ou seja, menos adjetivos que não levam ninguém a lugar nenhum e mais descrição do que realmente importa.

Não gostou? Me dê os seus motivos.

A Aline, do blog Vem que te conto! Fez isso muito bem feito no post: Por que eu não gostei de Porto de Galinhas. A Mariana, do blog Mariana Viaja também explicou os motivos pelo qual ela se arrependeu de ter visitado o Zoo de Lujan, na Argentina.

E se foi parceria?

Pintou aquela parceria super bacana, mas não saiu exatamente como você esperava! E agora, como passar essa impressão para o seu público sem ofender o parceiro?

Acho que não preciso reforçar a ideia de que existem maneiras e maneiras de abordar experiências negativas né? E aqui mais do que nunca você deve medir as suas palavras. Não estou falando de maneira alguma que você deve omitir os fatos. Simplesmente se preocupe qual é a melhor maneira de escrever isso sem ofender ou depreciar a imagem da empresa parceira.

Inicialmente é importante que ao fechar a parceria você deixe claro que você irá escrever sobre a sua real experiência no local. Em seguido aconselho que antes mesmo de publicar o post dê um feedback ao seu parceiro, pontue o que aconteceu, assim você não pega ele de surpresa ao ler o seu post já publicado.

Tem mais alguma dica para viagens ao mundo real? Conte para a gente como você lida com essa situação.

Obrigada à todos que participaram da nossa discussão no grupo do Hello Blogger

Aline Dias, do blog Vem que te conto!, Aninha Lima, do blog Destinos & Afins, Cintia Gringer, do blog Entre Mochilas e Malinhas, Flávio Borges, do blog Viajando na Janela, Juliana Almeida, do blog Juny pelo Mundo, Luciana Campos, do blog Turistando com a Lu, Mariana Bueno, do blog Mariana Viaja, Renata Campo, do blog Rêvivendo Viagens, Renata Inforzato, do blog Direto de Paris, Vanessa Kern, do blog Save pelo Mundo, Tharsila Costa, do blog Mapeando Mundo.

2 comments
  1. Aline DP

    Muito boa essa discussão.
    Acredito que temos que tomar cuidado ao escrever “textos de revistas”.
    A essência de um blog é justamente a percepção individual do blogueiro. Seu sentimento pessoal no texto. Por isso estamos sujeitos à experiências positivas e negativas. E precisamos pontuar isso, nosso leitor quer ver isso.
    Logicamente que medir palavras e escrever sem ofender é o ponto primordial de um bom relacionamento com o leitor.

    Fico feliz que gostaram do meu texto, mesmo com uma visão negativa do lugar, ao ponto de citarem por aqui.
    Muito obrigada por permitir essa discussão! :*

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *